segunda-feira, setembro 17, 2007

braços



Já ouvi que um abraço é algo que não se dá sem receber outro.
Também que apenas um deles pode mudar tudo.
Abraçar fala muito sem usar palavras.
Verdade.

Mas a verdade que eu mais gosto sobre o abraço se refere aos braços: ele não têm como ficar cruzados. Ninguém consegue abraçar o outro sem descruzá-los. Ninguém abraça nada nem ninguém quando as mãos estão tocando o bíceps oposto.

Talvez por isso que falemos em abraçar o trabalho. Abraçar a vida. Abraçar uma causa. Abraçar a fé. Talvez por isso que o Filho de Deus, para consumar sua missão e nos abraçar pela fé, abriu os seus braços no alto de uma cruz. Ao nos atrair a si, nos abraça e dá o exemplo.

Não é possível você abraçar uma nova idéia enquanto sua mente estiver de braços cruzados. Não é possível amar alguém quando seu coração cruza os braços, resquícios do que já passou. Não dá pra manter uma amizade fechando o peito em posição de inferioridade auto-infligida por qualquer pingo fora do i.

Não se abraça nada nem ninguém sem que os braços consintam.
Não dá. É só de braços abertos.

Abra os braços. Receba o que Deus quer muito te dar. Receba o carinho de quem quer muito lhe abraçar. Abrace a fé e a vida.

Sempre que você fizer isso, e começar a receber, prepare-se para abri-los bastante. Porque, você pode ter certeza, não vão ser poucos os braços que começarão a se descruzar.
Postar um comentário