mudança

Mágoa é uma coisa interessante.
Imagine que você está ofendido com seu vizinho. Tamanha é a raiva que você não suporta mais a convivência e decide trocar de cidade. Junta suas coisas e vai embora.
Tudo, então, muda. A cidade, a casa, a rua. O trabalho, os amigos, as companhias. O número de telefone, a pizzaria preferida, o supermercado e cabeleireiro. Praticamente tudo está diferente.
Menos a mágoa. Ela muda junto, continua do mesmo jeito, no mesmo lugar. Só a intensidade deve estar diferente - maior. Porque é muito difícil um problema não resolvido sumir assim, do nada, só esperando passar.

Por outro lado, imagine que você tivesse decidido perdoar. Nem que pra isso levasse muito tempo. Mas devagarzinho cultivasse o perdão, o “deixar ir embora” intencionalmente.
Então, nada mudaria. A mesma casa, a mesma rua, o mesmo trabalho, o mesmo posto de gasolina, o mesmo mecânico de confiança. A mesma vida, praticamente tudo está igual.
Menos a mágoa. Ela se foi, não está mais lá. Foi diminuindo de intensidade até que, um dia, acabou se mudando para outro lugar. Porque é assim que a mágoa realmente pode ir embora: com o perdão. Um dos ensinamentos fundamentais de Jesus Cristo - que soube perdoar até quem o pregava numa cruz.

Quando uma situação assim aparece, é muito melhor fazer a mudança certa. Desfazer o velho ditado e declarar: "a incomodante que se retire". Perdão. Não que seja mágico, é um exercício constante. O perdão não é cirurgia, remoção imediata, mas é academia, trabalho constante e regular de tonificação dos músculos da fé e do coração, pra deixar a mágoa sem alternativa, a não ser ir embora.

Quando ela quiser mudar você, mude antes. Deixe sua vida onde está.
Perdoe.
1 comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Só os loucos sabem

Tempo de uma vida