Gravado

Triste função das caixas-pretas. Quanto são reveladas, é somente para o pior. Pois as dos vôos que ocorrem normalmente, que devem ter palavras e expressões muito mais tranqüilas, não aparecem. Se ela entra em foco público, um acidente aconteceu. E provavelmente o conteúdo gravado mais visado - o final da conversa - não será nada agradável. A caixa-preta do vôo 3054 da TAM, que vazou para a imprensa e acabou divulgada oficialmente, confirma essa constatação.

E se um gravador fosse instalado em nossa vida, registrando todas as palavras? Cada conversa, cada comentário, maldoso ou benigno, direto ou indireto. Nenhuma vogal ou consoante mais fosse desperdiçada. Ficassem ali, gravadas, para posterior divulgação

Muita coisa muda não? Por exemplo a vontade de falar de quem não está, para tentar conquistar a simpatia de quem está. Diminui bastante. E pode aumentar a expressão de palavras tranqüilas e construtivas. Pois quem está por perto grava muito mais que palavras. A Bíblia já adverte, "a boca fala do que está cheio o coração". Se nossa boca se acostumar a falar mal, portanto...

Nossas palavras podem sim derrubar muitas vidas. Literal ou emocionalmente. O conselho de uma professora minha na sexta série acaba sendo muito valioso: não fale na ausência de uma pessoa aquilo que você não falaria na presença dela.
De outra maneira: fale de alguém ausente como se estivesse presente.

Funciona sempre. E deixa, no coração dos presentes, gravadas palavras de confiança, consideração e integridade..
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Só os loucos sabem

Tempo de uma vida

Com consideração