semelhança

Após longas tratativas, finalmente o casal conseguiu adotar o pequeno Eric. De origem asiática, o menino logo foi integrado á família.

Certo dia em um restaurante, Eric brincava com outra criança. Em certo momento, o outro menino perguntou: "Ei, porque você não é parecido com sua mãe?"
Um silêncio se fez entre as pessoas que estavam ao redor. Mas Eric respondeu com naturalidade:
"Ora essa, porque ela é uma mulher!"

Nosso mundo é muito acostumado a julgar mais pelo que aparece e menos pelo que transparece. Tanto que, quando a essência vem à tona, muitos ficam chocados. "Eu nunca esperaria isso de fulano".

Por um lado, somos gente com dificuldade, sim. Não importa quantas vezes você diga coisas boas ao espelho a cada manhã, quando chega a noite, a prática desmente a teoria. A falha está não só lá fora como aqui dentro.
Mas a outra, e fundamental verdade é que, mesmo não tendo mais a imagem e semelhança perfeitas de Deus, todos os que são adotados pela fé são filhos legítimos, incontestáveis, e plenamente integrados à família da fé. E contam com a presença, quer dizer, onipresença deste Pai Celeste. De um coração cristão podem vir coisas ruins, também. Mas o que mais transparece é a inconfundível semelhança com o Pai.
E quem nos observa não precisa ver perfeição nessa semelhança. Basta ver semelhança. Perfeição é pra depois.

Aliás, pra que se preocupar tanto com uma coisa que nunca vamos atingir mesmo?
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Só os loucos sabem

Tempo de uma vida