Mais feliz do mundo

Vi no Querido Leitor o link para a matéria da Folha que fala do "homem mais feliz do mundo". Foi sem surpresa que constatei que o título é atribuído a um monge budista. Hoje em dia, no ocidente, a paz e a felicidade, para muitas pessoas, estão associadas às práticas orientais de meditação e de um certo "resolver com a mente". Até mesmo um pouco de afastamento do mundo real.

Mas eu fiquei pensando um pouco sobre essa história de ser o mais feliz do mundo. Até ontem, pensava que era eu essa cara.

Porque me faz feliz saber que tenho contas para pagar, uma delas, da minha casa. Sou feliz por ter uma esposa com quem, mesmo discutindo ou tendo atritos, tenho pilares fundamentais da felicidade - amor mútuo e família. Feliz por tem um monte de tarefas pra resolver no meu trabalho. Por ter família e amigos com defeitos, inclusive eu. Sou feliz quando meu carro quebra, quando meu time perde, quando tropeço e caio. Sou feliz quando estou meditando ou quando estou gritando. Tenho felicidade em reconhecer minhas limitações e em aceitar meus defeitos. Fico feliz até quando pego trânsito lento, pensando no que poderia acontecer se eu andasse rápido demais. Sou feliz por ter problemas para resolver.
Sou feliz por viver.

Porque a felicidade não é um estado de espírito ou de mente. É uma escolha consciente.

E, como cristão, tenho felicidade por ter um Deus que me ama, me salvou, e que me permite aprender que, quando vivemos o que é bom, até o que é ruim ajuda a ser feliz. Só Ele ensina a viver contente em toda e qualquer situação.

Ser a pessoa mais feliz do mundo é um conceito relativo, depende no que se apoia.
Mas ser a pessoa mais feliz do seu mundo, é absoluto. Você é, quando vive para ser.
1 comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Só os loucos sabem

Tempo de uma vida